ai.ai.ai.... como o passado é tagarela! (rsrs)


ele(léon chertok), nasceu em 1911 em lida, polônia, psiquiatra e psicanalista. e o entrevistador(roland jaccard), lhe faz a seguinte pergunta: a hipnose aparece muitas vezes como uma mistificação, como uma prática para espetáculos de variedades; de onde vem seu interesse por ela? e chertok responde-lhe de imediato: não devemos falar muito mal dos espetáculos de variedades. afinal, foi por ter assistido a espetáculos assim que autores como braid, charcot e freud tiveram seu interesse atraído pelos fenômenos hipnóticos. o que me parece espantoso é que ainda hoje se possa formular uma pergunta como a sua(!!!!). sabes o que é legal nisso tudo? é que foi registrado da mesma forma como o entrevistado falou, sem melindres e tal. depois da bordoada no jaccard, léon prossegue, numa boa, como se nada tivesse acontecido: por menos que se conheça a história da psicoterapia, não é possível deixar de se interessar pela hipnose – ainda que seja apenas porque a psicanálise se originou diretamente dela. no que diz  respeito, tive ocasião de entrar em contato com a técnica hipnótica durante meus estudos de medicina em viena, nos anos 30. mas principalmente quinze anos depois, quando começava a minha carreira de psiquiatra e psicanalista em paris, um dia me encontrei diante de um caso de amnésia. um pouco ao acaso, eu diria quase em desespero de causa, lembrei-me da hipnose. para meu grande espanto, bastou uma única sessão para fazer a amnésia desaparecer. naquele momento, não medi toda a extensão do enigma representado por esse fenômeno. mas a minha curiosidade foi despertada, e dura até hoje. digamos que nunca cheguei a me refazer desse sucesso terapêutico[....] nem preciso dizer que o gato ficou tentando pegar o rato até o final da entrevista, não é mesmo? qual é o jornalista que pega uma volta assim, de graça(rsrs)? contudo, chertok se traveste de acadêmico e dá uma aula na figura(uau!)....