quem caminha(?): o homem? o escritor? os amigos ausentes?....



 

esbarrei-me com o jesus, sexta-feira, caminhando pela praça batista campos. ontem, à noite, em um dos canais de comunicação(tevê), o vi novamente. o engraçado é que, quando o vi na praça, perguntei-me as perguntas do título desta anotação. além do waldemar, pensei no age e no max, e deste, no bené, que foi chamando os demais. eu estava indo para lá e ele, para cá. nos cumprimentamos. dei a volta na praça para esperá-lo e clicá-lo, tentando agarrar os meus pensamentos, já formatado em melancolia, oriunda da saudade. ao mesmo tempo, tão alegre por vê-lo ali, palpável, caminhando em paz, recebendo acenos de todos, desde os vendedores de água de coco. mas, de todos os citados e recordados, deixei o age (e +: por cá, por cá, por cá) para a página:

Der Ort Wohin,

“O lugar Aonde”,
Como traduzi
Para ter onde ir –
o sonho da cabana,
à revelia desta Hora
toda agora e agonia,
permanece
se ergues um dedo,
mínimo gesto: se


(onde é aonde?)


te moves,
tudo

se move.



Carvalho, Age de [1958]
Trans: Age de Carvalho
São Paulo: Cosac Naify, 2011