estilos para a aventura: motocicleta e bicicleta


imagine a aventura de passeios de bicicleta até salinas, marudá, marapanim, abaetetuba, mosqueiro, bragança.... agora pense na aventura de pegar a estrada, sair do estado e chegar ao maranhão, por exemplo, de motocicleta. pois então, verbeno jr. e antonio costa apostam no extremo do prazer. o primeiro, revela que é motociclista e não motoqueiro. para o segundo, o contato com a natureza e com a população, compensam a audácia e coragem.

antonio costa

imagem: cris moreno
antonio maria da costa, 46, técnico em administração e responsável pelo departamento de recursos humanos da rede cultura de comunicação, pratica um estilo de vida saudável e heroico, ao mesmo tempo. literalmente, costa é um ciclista. 'foi um sonho de muito tempo. toda vez que viaja pelos interiores, observava através da janela do ônibus, as casas distantes, bem dentro do mato e me causava uma certa curiosidade. pensava, que vida que levavam ali. um dia, os pais de um amigo resolveram morar na localidade de são pedro, no município de marapanim. esse amigo, me fez o convite para fazer o passeio de bicicleta até lá. no primeiro momento disse não, porque é muito longe e pensei que não iria aguentar. depois, convencido, decidi fazer o passeio. e olha, foi uma coisa maravilhosa, muito bom. uma experiência, que ficou marcada. pensa, isso há 10 anos atrás. as pessoas que observava através da janela dos ônibus e que me acenavam, agora falavam comigo, na beira da estrada. a receptividade deles é muito grande, por exemplo, quando sentia sede e parava nas casas, os moradores conversavam comigo, me ofereciam não só a água, como frutas, almoço.... e foi aí que despertei para uma aventura ainda maior. outras pessoas passaram a fazer parte dos passeios, chegamos a ter um grupo de 10 aventureiros. era uma viagem/mês e chegamos até maracanã, salinas e marudá. no início, pela falta de experiência, partíamos pela manhã bem cedo, mas percebemos que era cansativo, além da questão de trânsito, vento, sol.... decidimos que a partida seria à noite, a partir de meia noite, viajando a madrugada inteira e amanhecíamos pegando aquele ar puro, a brisa da manhã. a volta passou a ser pela manhã, de dia. as paradas são sempre planejadas para abastecimento de água, comer barras de cereal e frutas. o segredo para alcançar o objetivo, é o preparo físico. há 16 anos que não bebo e nem fumo. se você não estiver preparado fisicamente, não chegará nem em ananindeua, porque sentirá cãimbra, as mãos ficarão amortecidas.... independente dessa programação, toda semana participamos do passeio noturno dentro da cidade, às quartas-feiras, com um grupo de ciclistas. e também, aos domingos, realizamos um passeio um pouco mais prolongado, até santa isabel, ou mosqueiro, ou benevides, ou então, vamos até a alça viária e retornamos. tudo isso para não perder o hábito. pedalar é muito bom. meu filho e dois sobrinhos fazem parte do grupo. meu filho hoje está com 18 anos, mas faz parte dos passeios desde os 15 anos de idade. às vezes, eu penso que é uma loucura. mas o prazer é tão grande, que no retorno você já está pensado no próximo passeio. é no retorno que aproveitamos os igarapés do caminho. temos o contato direto com a natureza e ainda praticamos trilhas em algumas localidades. incluímos no planejamento, passeios longos só após a época das chuvas, porque os pingos doem na pele. tenho tudo registrado em imagens. vamos completamente equipados com luvas, lanternas, luminárias, capacetes.... além do preparo psicológico. isso é muito importante também.

para registro, antonio costa vai de motocicleta para o trabalho.

verbeno jr.
imagem: cris moreno
mas, motocicleta é a praia da aventura de augusto pinheiro verbeno júnior, 55, músico, radialista e ator. trabalha no departamento de arquivo de música da cultura. 'sou motociclista desde os 17 anos de idade. fiquei uns 10 anos sem motocicleta e quando voltei, senti um impacto no trânsito. por isso que digo que não sou motoqueiro e sim, motociclista. sendo motociclista, tenho consciência de que sou proprietário de um veículo automotor e de que ocupo o mesmo espaço que outro veículo qualquer. não ando por corredores e calçadas, sigo atrás dos carros, obedeço o sinal de trânsito, não corto nas vias. a diferença. o próprio motoqueiro não respeita o motociclista. faço parte de um clube de motociclistas chamado medievais. todos os participantes são casados, as aventuras(passeios) são com as esposas. um dos passeios foi para o estado vizinho do maranhão. somos uns 20 participantes e quando planejamos as aventuras, comunicamos ao detran com toda a documentação em ordem, as motos devidamente preparadas, com os motociclistas equipados adequadamente. aconselho a entrar em um clube, por conta da violência. aventurar sozinho é muito perigoso. tenho duas motos. uma para usar como transporte para o trabalho e a outra, mais potente, para as aventuras na estrada. como o ciclista, o motociclista deve ter preparo físico e psicológico. faço academia, caminhada. e o importante, os clubes de motociclistas participam de campanhas humanitárias.


entrevista concedida no departamento de arquivo de música(verbeno jr.) da cultura, em 03/04/2012.
entrevista concedida no departamento de recursos humanos da cultura(antonio costa), em 03/04/2012.