sem parâmetro de qualidade: o imediatismo


imagem: cris moreno
a cada mudança na área do jornalismo, quer dizer, o surgimento de modernas ferramentas de comunicação que carregam a notícia, discute-se quase tudo. 

atualmente, com a velocidade de criação desses mecanismos e, consequentemente da informação, debatemos agora a qualidade. não basta fazer jornalismo. conversa sobre o assunto com o jornalista, produtor cultural e escritor guaracy britto, especialista em texto, som e imagem.


'por mais veloz, por mais informação, e essa informação municia as pessoas, quem quiser informação vai na internet ou abre seu tablet, seu celular, baixa tudo aqui, está lendo... a velocidade da informação tá aqui, na mão, independente se a pessoa aprende ou não, alguma coisa ela vai aprender. são duzentos mil recursos no celular, no fundo você aprende aquilo que você quer, o que você precisa. essa informação que chega, veloz, praticamente imediata, por exemplo, cai uma bomba no iraque e você está sabendo aqui, e você vai também, filtrando. a televisão, a mesma coisa, atrás daquilo que interessa, e aos patrocinadores.

existe muita informação e acho importante de fato ser filtrada, não sei se pela televisão aberta porque já é um caso perdido. você não pode esperar que eles não procurem manipular o consumo, pra comprar, e todas essas coisas que a gente aprende na faculdade. isso não tem jeito. vão atrás das tendências, da audiência, se é pra falar de gente morrendo, enfim... o ruim disso é uma sobrecarga, você acaba sem parâmetro de qualidade. a qualidade da imagem fica sofrível em função do ineditismo, do furo, do imediatismo, e às vezes são imagens que vão ficar para o resto da vida e mais importante em lugar do trabalho de um cinegrafista.
por outro lado, o que fazer com tudo isso? vou introduzir uma coisa que é importante para reflexão: é a leitura. é o estudo. quando você diz 'você', por exemplo, 'a televisão faz isso em você', é uma massa. quando você diz 'você é o pulso', isso é você, uma atitude pessoal. são duas coisas diferentes: a massa é burra, não tem crítica, ela é manipulada mesmo, e capaz de fazer maravilhas e atrocidades.
o senso crítico, a coisa pessoal, a individualidade, é fundamental você não achar que tudo o que a massa faz e quer, é o que você deve querer. você deve buscar o seu conhecimento próprio. você vê anúncio de livro na televisão? e de alimento natural? por que? você vê anúncio de batata?... é difícil você manipular as pessoas quando elas aprendem a ler... se aprende a ir atrás. o único que tenta manipular através do livro, é a religião, que tem um só livro...'
guaracy britto júnior, 48, jornalista, produtor de eventos culturais e escritor(dois livros infantis), dedica 22 anos à televisão, no caso, a cultura, com produção de textos, edição, programas, clips, documentários. programa de rádio na cultura fm(durante sete anos – 'visagem': poesias, contos, música), além de pesquisa musical, sempre interligando texto e música.
o gosto pela televisão veio quando jovem, através de mixagem, edição, 'eu tinha equipamento em casa, duas eletrolas, dois pratos, um mixador legal... ia pegando e misturando os discos de efeitos sonoros e montava fitas pra eu curtir... fui pegando o time, a experiência com a edição... e daí vem a tv cultura, na edição, e depois, nos textos dos programas', nos conta.
guaracy britto no momento está trabalhando no novo programa da tv cultura 'serenata dum-dum' – serenata é paixão e dum-dum é uma bala para atingir elefante. são clips da internet, do mundo inteiro.
- entrevista concedida no café cultura, em 19/08/2011.