parque gráfico: para embalar as palavras


imagens: cris moreno

do chumbo ao requinte. o parque gráfico da imprensa oficial do estado será vizinho no mesmo espaço da rotativa que opera somente o diário oficial. e onde está o parque gráfico, será um museu. 

mas as novidades não são apenas físicas, estruturais. outras mudanças vêm por aí, principalmente para contemplar os escritores. as revelações são de pedro paulo pereira ferreira, diretor técnico da ioepa.

para a formatação de uma obra literária, veja como funciona atualmente: você deve levar todo o seu livro em arquivo. tudo, como capa, contracapa, orelha, etc. a peça de arte seguirá este caminho: a)setor de orçamento; b)editoração; c)gráfica. na gráfica, passa primeiro pela gravação da chapa, depois impressão, acabamento, e daí, sai embalado. a meta do órgão é criar um departamento com editor, designer e outras categorias necessárias para que uma obra literária possa sair completa, após entrega somente do manuscrito. mas do jeito como ainda é impressa uma obra, a demanda é surpreendente, de 30 a 40 peças/ano. é uma gráfica em aberto, para confeccionar todo e qualquer produto solicitado.


'o maquinário está dentro da modernidade e com a intenção de adquirir outros equipamentos de ponta ', nos conta ferreira, pronto para suportar a produção exigida. atualmente são quatro ferramentas principais, com três bicolor e uma quatro cores, além das seis máquinas que trabalham com uma só cor. para se ter uma ideia, um livro com mil exemplares e 200 páginas, tira-se em três dias. completo. para o acabamento são seis máquinas, sendo três guilhotinas, uma para dobrar, outra cola a capa, três para grampear, mais a máquina para plastificar a obra, com projetos de aquisição para o maquinário de costurar e alteadeira, para colecionar revistas. trabalho no paralelo, com as 800 edições diárias do diário oficial, rodados na rotativa, mais veloz, portanto. a rotativa está há 28 anos na ioepa e são 470 assinaturas do diário oficial.

no trabalho com o alumínio, as chapas são programadas anualmente, na faixa de, por exemplo, se são adquiridas 400, vão 200 para estoque. depois de utilizadas, são vendidas, assim como o lixo da gráfica, ou seja, papel nos seus variados tipos, com a renda revertida para a associação dos funcionários(65%). só no parque gráfico, são 40 funcionários, com seis horas/dia.

pedro paulo pereira ferreira, 54, diretor técnico da ioepa, há 35 anos no órgão, desde quando o trabalho era realizado em tipografia. já foi chefe de paginação, teve a gerência de produção e agora, é diretor técnico.


- entrevista concedida no parque gráfico da ioepa, em 26/08/2011.